Notícias actualizadas ao minuto sobre o sector automóvel

OE 2019: ACP acusa Governo de “obsessão pela receita rápida”

Cars line up against a detour caused by a fatal accident on the highway during rush hour.

O Automóvel Clube de Portugal (ACP) acusou o Governo de “obsessão pela receita rápida” com a proposta de Orçamento de Estado 2019 para o setor automóvel.

 

“Como o automóvel não pode fugir à carga de impostos diretos e indiretos, o documento exibe um novo saque fiscal aos automobilistas, com consequências para todos os contribuintes”, acusa o ACP em comunicado que continua: “o Governo volta a colocar o automóvel como um produto de luxo, quando a realidade evidencia o contrário”.

“Novamente as taxas e os impostos indiretos são os grandes angariadores de receita, com o Imposto sobre Produtos Petrolíferos à cabeça. Mais uma vez, a ilusão comanda a realidade das contas, com o adicional ao ISP a manter-se inalterado”, prossegue a associação.

“A proposta de OE para 2019 mantém na gaveta o incentivo ao abate de viaturas em fim de vida e a consequente renovação do parque automóvel. O mesmo se regista para os veículos híbridos e os de combustão mais limpos”, indica o comunicado que indica ainda: “Apesar da ilusão, quem quer comprar carro vai pagar mais”.

“O ISV e o IUC aumentam 1,4% em relação ao ano anterior e são acompanhados por mais um aumento do imposto de selo no crédito ao consumo, este com um aumento significativo na compra de automóveis ao longo do ano de 2017”, afirma também a associação que conclui com uma nota aos transportes públicos: “Os portugueses são os europeus que menos utilizam os transportes públicos pelo mau serviço prestado, sendo que o preço não é decisivo na hora da escolha. Com esta proposta de Orçamento, todos os contribuintes vão pagar a redução do preço dos passes para continuarem a ser mal servidos”.

Outras Notícias

Comentários estão fechados.